sábado, 4 de novembro de 2017

O Cristão e o Religião

Havia um menino cujo nome era Cristão.
Cristão era um menino simpático.
Todos gostavam de Cristão, pois ele era carismático, ajudava as pessoas, andava sempre feliz e vivia cheio de paz.
Nada conseguia estressar o Cristão, pois ele se mantinha sempre calmo.
Quem o conhecia se admirava, e a ele se apegava.
Cristão era um bom ouvinte, ouvia a todos e falava com todos, tratava todos com respeito e carinho.
Havia um menino que não gostava do Cristão, o nome dele era Religião.
Religião pensava que tudo o que o Cristão fazia era mentira.
O Religião não conseguia aceitar o fato do Cristão ser tão calmo e feliz.
Ele se sentia incomodado pelas coisas que o Cristão fazia.
O Religião seguia regras as quais o prendia, fazendo ele pensar que estava sendo livre, mas na verdade era mentira.
O Cristão porem não seguia regras, mas vivia sempre com uma boa conduta e livre para fazer o que quer.
O Religião por outro lado achava que era necessário o Cristão seguir as mesma regras, para viver em conformidade.
As regras que o Religião queria que o Cristão seguisse, o fazia escravo de si fazendo aquilo que julgam ser o certo.
O Religião tentava e tentava impor suas regras no Cristão.
Por meio tempo o Religião quase conseguiu, mas com êxito falhou.
Mas mesmo assim o Religião tentava, mas nunca conseguia.
E quanto mais tentava, menos o Religião conseguia.
Isso criou então uma raiva dentro do Religião.
Pois ele percebeu que não adiantava nada pra fazer o Cristão seguir as regras dele.
Então o Religião arquitetou meios para destruir o Cristão totalmente.
E para isso, o Religião se envolveu com a senhora Politica, o senhor Estado e o pequeno jovem Povo, para que com a ajuda deles ele pode-se destruir totalmente o Cristão.
A senhora Politica ouviu o Religião; e por pontos ele foi ouvido por outros pontos não, então ela pediu um tempo para pensar.
O Religião se apresentou ao jovem Povo, o qual gostou de o conhecer, porem o Povo não concordava com o que o Religião queria fazer com o Cristão e resolveu não se envolver nessa briga.
O senhor Estado se interessou pelo o que o Religião queria fazer e resolveu ajuda-lo.
O senhor Estado então resolveu obrigar o Cristão a viver e a seguir as regras do Religião.
Mas o Povo não achou isso correto, e resolveu ajudar o Cristão.
Então ele pediu ajuda à senhora Politica, pois ela era casada com o senhor Estado.
A senhora Politica então também resolveu ajudar o Cristão e foi falar com o senhor Estado e disse que isso não é certo.
Mas o senhor Estado em resposta disse que era o único jeito para que aja harmonia entre o Cristão e o Religião.
E disse também que essa era a forma de ambos serem amigos.
A senhora Politica concordou, mas pediu para que deixasse o Cristão fazer essa escolha, se ele seguia as regras do Religião ou não.
O senhor Estado disse que não, que o Cristão deveria sim seguir as regras do Religião.
Mas a senhora Politica disse que essa decisão deve vir dele.
E ambos brigam até hoje para tomar essa decisão.
E enquanto o senhor Estado e a senhora Politica brigam por isso.
O Cristão continua vivendo feliz, sendo livre e ajudando a todos.
Enquanto o Religião continua querendo acabar com o Cristão, pois ele continua achando o Cristão prepotente, mentiroso e sem moral.

Feito por: Elielton Lima

Data: 05/11/2017